top of page

Especialistas alertam para o impacto da saúde mental no trânsito

No próximo dia 25 de setembro, é celebrado o Dia Nacional do Trânsito, data oportuna para debater as mais diversas relações existentes entre saúde mental e trânsito, que é um dos mais letais do Mundo


‌No início de julho deste ano um motorista atropelou e matou uma jovem que estava na garupa de uma motocicleta e deixou, ainda, o condutor que pilotava a moto gravemente ferido, em Fortaleza. A colisão, segundo investigação policial, teria sido culminada após uma briga de trânsito. Instabilidade emocional, respostas impulsivas advindas da falta de controle das emoções e ausência de empatia são características que juntas, ou isoladas, podem elevar os conflitos no trânsito.


No próximo dia 25 de setembro, é celebrado o Dia Nacional do Trânsito, data oportuna para debater as mais diversas relações existentes entre saúde mental e trânsito, ainda mais sendo o Brasil o terceiro país no mundo com maior letalidade no trânsito, atrás apenas de Índia e China em números totais de mortes, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).


“Inúmeras situações no trânsito causam uma enorme pressão psicológica nos condutores. Portanto, é preciso saber conter tais impulsos. Ter inteligência emocional pode ser decisivo na hora de evitar discussões que podem levar à morte”, analisa a psicanalista Elaine de Tomy, vice-presidente do Instituto Revoar.


Estudos apontam que a relação entre trânsito e saúde mental possui estreita troca de danos e impactos. Se por um lado a falta de controle afeta os condutores, por outro, o trânsito caótico presente nos grandes centros também pode ter um impacto negativo na saúde mental das pessoas.


O estresse é um dos principais efeitos colaterais do trânsito. A partir deles, o condutor pode desenvolver transtornos como irritabilidade, ansiedade, fadiga, insônia e problemas de concentração.


A psicanalista e Terapeuta no Instituto Revoar, Natália Pinto, alerta ainda para um fator agravante neste cenário: o Brasil é um dos países com maiores índices de depressão e ansiedade do mundo, segundo a ONU. “Então imagine essa fragilidade emocional somada ao estresse e insegurança no trânsito, cria-se um cenário de extrema pressão para motoristas, motociclistas e pedestres”, adverte.


Mas, a boa notícia é que há meios de trabalhar o lado emocional e atingir uma maturidade mental, conforme aponta a psicanalista. “Conhecer e entender alguns gatilhos e reconhecer pontos fracos é fundamental para evoluirmos o nosso lado emocional. E esse avanço é precioso não apenas para o trânsito, mas também para todos os nossos tipos de relações, sejam elas no trabalho, em família, na escola ou entre amigos”, acrescenta Elaine, que também é especialista em Linguagem Corporal.


SUGESTÕES DE ABORDAGEM:

  • Qual o impacto do trânsito na saúde mental?

  • Quais são os benefícios da psicologia do trânsito?

  • Como cuidar da saúde mental diante de um trânsito cada vez mais caótico?

  • Como identificar gatilhos emocionais no trânsito?

  • Há meios de trabalhar o lado emocional e atingir uma maturidade mental?

Assessoria de Imprensa do Instituto Revoar Jornalista: Mônika Vieira Contatos: (85) 987792007 / contato@inspiracomunicacao.com.br




Comentarios


bottom of page